Novidades!!

Passei todos os primeiros meses desse blog pensando “Mas eu nem sei pra quem eu tô escrevendo!”. Eu simplesmente não fazia ideia do que ia falar nesse blog, do que eu poderia ou não falar, do que eu queria ou não. Eu não sou escritor de contos, apenas, tão pouco poeta! Eu faço poemas e contos, mas não faço apenas isso! Porém, uma ideia brilhante veio na minha cabeça! Por que não falar de tudo? Tem mesmo que só falar de uma coisa? Então eu vou mudar tudo por aqui, se quiser que esse blog cumpra sua função, que é alcançar o máximo de pessoas possível. Afinal, se eu quiser expor minhas ideias, elas tem que ser chamativas e verdadeiras. Tem que ser minhas.

Sem falar, que eu só tenho 15 anos. Não quero que, com 15 anos, todos me vejam como um escritor ultrapassado, que vive de contos e poemas. Escrever para mim é mais que uma atividade corriqueira que eu faço em cinco ou dez minutos. Viver de contos e poemas não é ruim, mas está longe do que eu quero para a minha vida inteira como escritor e ser humano. Eu tenho opinião, eu tenho experiências, e eu quero contá-las. Então hora de ousar e ter coragem para expor o que eu realmente quero.

Para isso não ser desorganizado, vou dividir o blog, a partir de hoje, em “programas”, “tags”. Cada post vai ter um estilo diferente e você saberá do que eu vou falar antes mesmo de começar a ler! Esse negócio de querer que o leitor saiba o que vai ler antes de começar, faço isso até nos meus livros! (Quando os publicar, vou falar sobre isso) Gosto que a pessoa comece a ler sabendo que vai gostar. Serão os seguintes programas (Vou chamar de programas porque foi o que veio na cabeça. kkk):

Eu queria conhecer… – Eu queria conhecer José de Alencar, Chiquinha Gonzaga, Maria Quitéria de Jesus, Hatshepsut, Alberto Nepomuceno, Dido, Barão do Rio Branco, Pedro II, C. S. Lewis, Marie Curie… Mas quem são essas pessoas? Por que elas são importantes? O que elas fizeram? Certamente algumas você deve conhecer, outras, nem tanto, mas é por isso mesmo que eu quero contar a história deles! Histórias de grandes mulheres e homens que mudaram o mundo na sua época e foram muito mais do que se imaginava! Grandes figuras da história global e/ou brasileira! Se você gosta de história como eu, então vai amar! O “Eu queria conhecer” será postado religiosamente, eu pretendo, às segundas.

Literando – Eu sei, o nome é esquisito, mas vai servir bem. kkk Toda vez que você ler “Literando” antes de algum título, preveja que eu vou literar bastante. rs Todo post Literando vai ser um conto, uma crônica, um poema, algo que esteja diretamente vinculado com a minha produção artística-literária. Tudo que eu venho postando ultimamente, praticamente, se encaixa aqui. O “Literando” não terá dia oficial para ser postado, e só postarei quando tiver um texto realmente bom para divulgar, então vai depender da criatividade.

Preciso Falar – Sabem, eu falo demais, pior, eu opino demais! Por isso que brinco que nunca sobreviveria a Ditadura Militar! kk Afinal, eu não sei ficar calado. Então, quando eu precisar falar, vou avisar antes do título colocando “Preciso Falar”. Assim, já estaremos cientes que eu vou opinar sobre algum tema. Pode ser política, cultura, educação, igreja, economia até. Eu estava meio receoso de dar minha opinião ou falar do que eu acredito, com medo da repercussão, mas a gente opina para repercutir, independente dos danos a nossa imagem! kkkk  Existe muita coisa que eu realmente preciso falar, por isso, posso garantir muitos “Preciso Falar”. kkk O “Preciso Falar” também não terá um dia oficial, será postado quando eu tiver uma boa opinião, digna do público.

Eu queria que existisse… – Eu amo desenho animado, séries, novelas, filmes, livros… Além de gostar de saber de coisas que existem e que estão acontecendo, gosto de saber também do que é criado, inventado da cabeça de engenhosos e engenhosas escritoras e escritores, desenhistas, roteiristas, atores e atrizes… Então vou falar dos personagens que mais marcaram e porque os considero importantes! Sim, eu queria que existisse a rainha Elsa, a princesa Merida, a guerreira Mulan, o peixe-palhaço Marlin e a peixinha Dory, a índia Iracema, o poderoso Poti, a corajosa Anastácia, a poderosíssima Korra, e muitos outros personagens fictícios que marcaram a minha história! (Falo como se tivesse vivido muita coisa…) Tem muitos personagens sobre os quais eu gostaria de falar! O “Eu queria que existisse…” será postado às sextas-feiras!

Meus Projetos – Eu já lancei um Meus Projetos aqui, e o programa vai continuar. Através dos Meus Projetos eu vou divulgar detalhes da minha “vida profissional” como artista, e não falo apenas como escritor. Eu não tenho como definir um dia para os Meus Projetos, afinal, são coisas que vão acontecendo e eu divulgo. Então, eles vão eventualmente ser postados nos dias úteis desse blog (Que serão os domingos, as segundas, as quartas, as sextas e os sábados. Eu não vou postar nas terças e quintas, pelo menos eu não pretendo fazê-lo muito.).

Apartado – Uma vez ou outra pode surgir um texto que não se encaixa em nenhum dos programas oficial. Estes serão indicados como “Apartado”.

Então é isso, obrigado por ler e, se Deus quiser, eu vou prosseguir com esse blog. Me ajude com isso! Curta, siga o blog, compartilhe, comente! Se gostou do meu trabalho, me divulgue! Siga-me no Twitter, @CaioJose25, no Google+, em Caio Galeno, ou no Facebook, em Caio José Galeno.

 

 

Anúncios

Meus projetos: Trilogia Kimiom de Merídia

Por hora, o blog tem sido um espaço para publicar contos e artigos, mas agora estou adicionando o tipo de post “Meus Projetos”, dedicado a mostrar tudo aquilo que venho criando.

Como já citei aqui no blog, eu sou escritor já faz um tempo e tenho quatro livros completos e planos para escrever muitos mais. Este blog é uma das minhas maneiras de me expor e conseguir apoio para a publicação do meu primeiro livro. Então, para que você possa conhecer a minha obra, vou postar a introdução da minha primeira série, Kimiom de Merídia.

Introdução:

Em uma nação autocrata onde um líder ditava o desejar e pensar de seu povo, Kimiom é pressionado a se levantar como símbolo de uma revolução e centro de acontecimentos que mudarão seu mundo para sempre. Destinado a ser algo que não compreende, o personagem lança-se ao inexplicável para saber quem realmente é: Uma arma, um salvador, um desastre, um monstro, um erro, um peão? Com grandes poderes vêm responsabilidades inimagináveis e Kimiom sentirá na pele o compromisso que tem com a humanidade, assim como o autor sente seu compromisso de dar ao leitor uma bela história.

 

Não sabemos nossos destinos, mas sabemos que todos terminam com a morte. Para alguns, o ponto final é colocado após algumas palavras, outros, criam páginas e páginas de aventuras e sentimentos. Não sei o meu fim, não sei o que pode acontecer depois disso, mas eu juro… Pelo sangue que corre em minhas veias… Eu juro, pelo suor que escorre pelo meu rosto… Eu juro, pelo coração que bate em meu peito… Eu vou proteger o que amo… Eu vou proteger as pessoas desse mundo, pois a esperança é a última que morre!” Kimiom de Merídia.

Alguns poucos próximos tiveram a oportunidade de ler o livro e uma das leitoras comentou o seguinte:

“Caio J. G. L. Galeno é uma das vozes mais fascinantes da literatura brasileira contemporânea. Na saga Kimiom de Merídia apresenta um escritor apaixonado, que mostra sua arte em uma viagem de cores, sons e ideias. Não sou capaz de descrever o quanto gostei e o quanto é excelente Kimiom de Merídia.” De Gabriely Farias.  

Ao longo do tempo, postarei algumas espiadinhas, para vocês poderem ter uma pequena ideia do que pretendo publicar. A primeira vez que estou expondo esse livro para o mundo inteiro é neste post. Por isso, também está anexado logo abaixo as primeiras páginas da história, uma breve espiadinha:

“Creio que aqui toda criança tem um trauma. Cada um com suas dores e sequelas. Quanto a mim, toda noite eu choramingava por um nome, clamava por algo que nunca seria atendido, pedia a quem me ouvisse que meu pai ressuscitasse. Tantas pessoas perdem tantas pessoas, mas foi preciso apenas um para reescrever minha existência. Sem um pai, precisava de algo para me manter e fiz a pior escolha. Acabei por entregar meu direito de viver e pensar ao meu imperador divino, Adamantor.

O imperador era ministro da defesa de Merídia e, quando teve chance, tomou o poder. Desde então, o país que era Merídia se tornou um universo em trevas, sem desenvolvimento, educação, amor ou razão. Tudo era feito pelo povo e para Adamantor.

Eu observava a janela do meu quarto, que era direcionada para o quintal, onde meu pai havia sido enterrado e uma pedra estranha e disforme tinha seu nome esculpido, indicando que ali jaz alguém inútil, como todos são. Com muito rancor, lembrava-me dos dias que eu fitava o túmulo dele e friamente perguntava:

– Por que papai? Por que você era tão imbecil? Por que não foi mais cuidadoso? Por quê? Sim, eu me lembro do que a mamãe me contou, mas não é o suficiente. – Naquele momento de emoções, relembrei do dia em que o corpo dele foi jogado na frente de nossa casa, com o rosto estraçalhado.

Foi preciso da ajuda dos vizinhos para retira-lo dali, vesti-lo e enterra-lo ao som dos instrumentos e músicas disponíveis, como era tradicional. Perguntei em particular a minha mãe a respeito de quem matara meu pai. Depois de muita conversa entendi que o imperador fizera isso. Questionei-me sobre o que levou Adamantor a se importar com um homem de uma cidadezinha que não possuía poder algum.

Para incomodar o Império meu pai devia ser um revoltoso. Mas isso não tinha cabimento, apesar de ser a resposta mais sensata para um menino de doze anos que viu o corpo do pai quase que dilacerado. Baseado em minhas hipóteses, odiei Adamantor, mas criei um medo tremendo da figura do imperador, do que ele era capaz de fazer. Então, se eu não podia enfrentar Adamantor, poderia me enraivecer de meu pai, um homem que abriu mão da família por seus ideais, assim eu pensava. Ele me trocou por sua luta.

– Papai! Seu desgraçado! – Gritei ao chutar a terra, lançando-a ao ar e sobre o túmulo. – Você não pensou em nós antes de se juntar a esses ridículos? Por que não só engoliu que Adamantor está ai e não pode ser derrubado? O que era que te dava esperança? Seu idiota! Imbecil! Eu tenho raiva de você, seu monte de merda, principalmente por ter morrido sem me deixar nada, nada como explicação! – Deixei-me cair de joelhos em meio a prantos e vendo o pó do chão sujar minha roupa, lembrei-me de quando eu caia aqui e cuidadosamente meu pai me erguia, afirmando que sempre estaria ali para me levantar. A lembrança trouxe a mim momentos de amor, todavia não acabou com a saudade. – Mas não o odeio, apenas o amo tanto que essa situação me faz querer não ter nascido… Eu queria enterrar esse seu túmulo e essa pedra para nunca mais ver você e esquecer você, só que não tenho força para isso! Sou só mais um fraco… Mais um covarde… Incapaz de enfrentar o próprio passado. – Chorei amargamente.

Mal sabia eu o quão era necessário que eu fosse deixado sem nenhuma explicação, o que fora escondido de mim está muito além de revoltas. Meu pai, verdadeiramente, nunca se envolvera com protestos e ações que visavam à derrubada do imperador, mas ele cria nisso, acreditava que aquele homem desprezível sucumbiria. Meu pai não acreditava num movimento, acreditava em alguém, e ele morrera não por causa do que cria, mas do que era…”

Se você gostou, ainda a muito mais! Essas são apenas as primeiras palavras de uma aventura incrível, onde você verá um herói passar por altos e baixos, onde vai conhecer personagens humanos e profundos, dispostos a lutar por ideias e pelo futuro do mundo, numa mistura incrível de palavras e sentimentos.

Ajude-me a publicar esse livro, compartilhe esse post, curta, comente, siga o blog! Você é meu divulgador, e só com sua ajuda eu posso realizar o sonho de publicar um livro, e só depende de você descobrir o resto dos 18 capítulos que constroem o primeiro livro dessa trilogia incrível!

Esteja atento à notícias e outras espiadinhas nas minhas obras! Não perca uma publicação e fique ligado no próximo Meus Projetos, onde falarei de muitas outras coisas que venho criando! Até mais!